Motos Flex: quais as vantagens e desvantagens de adquirir uma

 Motos Flex: quais as vantagens e desvantagens de adquirir uma

Comprar um veículo que funciona com dois tipos de combustíveis diferentes se tornou bastante popular no Brasil. Fique por dentro!

Faz alguns anos que os modelos de motocicletas com motor flex vêm se tornando cada vez mais populares no mercado brasileiro. Afinal, ter opções de escolha sobre qual combustível utilizar para encher os tanques se tornou bastante atrativo, ainda mais quando o assunto são as várias alterações no preço das bombas dos postos de gasolina. Dessa forma, esses modelos acabaram se tornando os “queridinhos” das concessionárias. 

Atualmente, uma das motos mais vendidas da categoria é a Honda CG 150 Titan Mix, que é facilmente encontrada transitando nas ruas. Entretanto, assim como existem vantagens, as desvantagens também se fazem presentes nas versões flex. Muitos consumidores, na hora da compra, imaginam que a moto flex é como um carro flex, mas não é exatamente a mesma coisa. 

O principal motivo é o aprimoramento da tecnologia da alimentação por carburador, no caso das motocicletas. Dessa forma, o sistema flex para os veículos de duas rodas é composto por um módulo de controle eletrônico denominado ECM (Engine Control Module), que também se faz presente em sistemas de injeção eletrônica que não possuem a tecnologia flex. 

Esse mecanismo opera em ação conjunta com sensores que coordenam o desempenho do motor para estabelecer o momento propício de injeção de combustível.

Vantagens x Desvantagens

O maior benefício de optar por uma moto flex é poder escolher se o abastecimento será feito com etanol ou gasolina. Sendo assim, a depender da região e da época do ano, escolher o combustível que seja economicamente mais viável é bastante vantajoso. Ou até mesmo poder configurar a mistura dos dois aditivos nas proporções que couberem no bolso ou que forem mais benéficas na hora de economizar combustível.

A mistura de álcool e gasolina não gera qualquer tipo de danos ao motor da motocicleta. Essa é a vantagem da tecnologia flex, que age por meio de vários mecanismos específicos e sensores ligados ao sistema de ignição e injeção. Isso permite que a moto funcione bem com a alimentação de ambos os combustíveis ou com apenas um deles.

Outro diferencial é que as motos flex que possuem a tecnologia bicombustível são equipadas com a injeção eletrônica mais atualizada do mercado, fazendo com que elas sejam altamente modernas. Esse sistema se adapta às variações e ainda garante um excelente desempenho.

Ainda que os carburadores sejam consideravelmente mais baratos e tenham uma manutenção facilitada, eles não conseguem proporcionar um desempenho tão regular quanto ao da tecnologia de motores flex de injeção eletrônica.

Embora a mistura de combustíveis esteja no campo das vantagens, existe uma pequena desvantagem quando surge a obrigatoriedade de realizar essa mescla regularmente. 

Algumas montadoras, como a Yamaha e a Honda, aconselham sempre adicionar um pouco de gasolina, ainda que o abastecimento frequente seja com etanol. A recomendação vai especialmente para proprietários que residem em regiões onde as temperaturas médias são mais baixas.

Isso ocorre porque o etanol é um tipo de combustível cuja octanagem (índice de resistência à detonação de combustíveis usados em motores no ciclo de Otto) é de um valor maior. Isto é, ele opera melhor em altas temperaturas. 

Infelizmente, ainda não existem motocicletas com injeção flex que contém reservatórios isolados de gasolina e que auxiliem na partida a frio. Justamente por este motivos, as montadoras aconselham a presença de gasolina no tanque.

Todavia, vale ponderar que em regiões de clima quente essa prática não se torna uma obrigatoriedade. Dessa forma, a moto pode ser abastecida somente com etanol que não irá apresentar qualquer dificuldade de partida e desempenho.

Mas é sempre muito importante lembrar para quem possui uma moto flex: Sempre opte por postos de combustível bandeirados, dando prioridade pela qualidade do aditivo. Isso porque, existe um grande risco de utilizarem gasolina “batizada”, ou seja, aquela que é diluída com químicos para render mais para a empresa, mas que pode gerar uma série de danos ao motor. Esse risco é maior em motores flex, justamente porque operam bem com misturas, então é importante estar atento!

Compartilhe