Lightning Motorcycles aposta em metal brasileiro para quebrar recorde

 Lightning Motorcycles aposta em metal brasileiro para quebrar recorde

Após quebrar recorde de velocidade com o modelo LS-218, a startup pretende agregar nióbio em uma motocicleta inédita e repetir o feito

Recentemente, a startup norte-americana Lightning Motorcycles fez o anúncio da parceria firmada com a CBMM (Companhia Brasileira de Siderurgia e Mineração) com intuito de agregar o material nióbio em suas fabricações.

Mas qual o real objetivo por trás da união entre uma companhia de mineração de Minas Gerais com uma empresa do Vale do Silício? O plano é desenvolver um projeto de itens estruturais, como freios, chassi ou mesmo baterias que sejam mais leves para novos modelos de motocicletas com este tipo de metal.

De acordo com as intenções da Lightning, utilizar o nióbio deve permitir a fabricação de uma versão inédita capaz de quebrar o recorde de velocidade para motocicletas, incluindo marcas já batidas pela própria empresa.

O modelo LS-218 da startup atingiu a marca de 351,787 km/h (218,637 milhas por hora), em 2015, em um teste realizado no deserto de sal de Bonneville (EUA). O feito fez com que a motocicleta elétrica fosse considerada a mais rápida do planeta. 

Segundo os estudos da Lightning Motorcycles, um chassi construído em nióbio brasileiro, bem como outras partes possíveis, poderia fazer com que uma nova moto alcançasse sensacionais 400 km/h, isto é, 250 milhas/h.

Segundo Richard Hatfield, CEO e Fundador da Lightning Motorcycles: “Reduzir o peso é essencial para motocicletas de alto desempenho e, por isso, já estamos utilizando algumas aplicações de nióbio”.

Por isso, a CBMM e a Lightning estudam as possibilidades para que o material seja agregado da melhor forma. Assim a velocidade, bem como o desempenho das motos podem ser bastante potencializados.

O Nióbio é um tipo de metal visto como “aperfeiçoador” de componentes, pois além de deixar as peças mais leves, também as torna muito mais resistentes.

O uso deste metal na indústria automotiva pode ser bastante vasto, sendo útil em baterias de recargas rápidas, sistemas de freio, estruturas, etc. Por exemplo, um chassi veicular pode garantir 20% menos peso e somar 30% de resistência com o emprego do nióbio.

A gerente de desenvolvimento de mercado da CBMM, Mariana Perez Oliveira, afirma que: “Além das tecnologias já utilizadas pela Lightning no módulo de carregamento da bateria, o nióbio oferece vantagens quando aplicado em outros materiais que vão além da redução de peso, permitindo uma verdadeira revolução na mobilidade”.

Vale citar que, o Brasil é o maior produtor de nióbio mundialmente falando, todavia não se trata de um material raro, ele seria apenas pouco explorado até os dias de hoje. Outros países como Austrália e Canadá também fazem mineração do metal.

Compartilhe