Ação solidária no motociclismo: doação de equipamentos

 Ação solidária no motociclismo: doação de equipamentos

Para além das arrecadações mais tradicionais, motociclistas fazem campanha para distribuir equipamentos de proteção

Um grupo formado por mulheres motociclistas teve uma iniciativa inspiradora – uma ação para doar equipamentos usados, do universo das duas rodas, a quem precisa. A meta é arrecadar o máximo possível de artigos do guarda-roupa motociclístico e, a partir disso, repassar para homens e mulheres que estejam precisando. Afinal, os objetos de proteção são, sim, essenciais para quem pilota.

Contando que estejam em boas condições para o uso de outra pessoa, todos os itens de proteção podem ser doados: jaquetas; luvas; botas; capacetes; capas de chuva; protetores e o que mais houver disponível. 

A proposta foi criada pela Confraria Filhas do Vento e da Liberdade, um moto clube composto por mulheres que amam a estrada e não temem aventuras ou preconceito. Algumas delas, inclusive, já viajaram juntas até o Atacama. De fato, a experiência de ter ido ao Chile evidenciou, para todas as participantes, a importância de estar bem equipado. 

Mas, a ideia de criar uma ação veio observando o cotidiano mesmo. “Já vi muitos motociclistas voltando para casa depois de um dia árduo de trabalho sem o mínimo de equipamento. Queremos ajudar aquele motociclista que muitas vezes não tem dinheiro para comprar um item de segurança e acaba se expondo a riscos e ao frio”, pontuou Telma Crummenauer, integrante da Confraria.

Caso a palavra “frio” tenha se destacado na sua leitura, é importante ressaltar que o grupo concentrou a ação solidária em Curitiba, onde a maioria das participantes reside. A campanha foi finalizada em julho, que é o mês do motociclista, mas a atividade vai muito além disso. Elas esperam que, de alguma forma, isso mobilize também outras ações, em diferentes regiões do Brasil. 

“Enquanto muitos podem escolher, outros tantos não têm escolhas. E, claro, um equipamento pode salvar vidas”, finaliza Telma, que começou a explorar o universo das motos aos 46 anos.

Compartilhe