A trajetória de Ray Weishaar, piloto da Wrecking Crew da Harley Davidson

 A trajetória de Ray Weishaar, piloto da Wrecking Crew da Harley Davidson

Inspiração para a HOG, Weishaar deixou seu legado marcante na Harley até os dias de hoje

No início do século XX, as motocicletas faziam grande sucesso e a lendária marca Harley-Davidson era uma das mais populares no meio, gerando forte concorrência no mercado.

Estas ficaram mais famosas ainda após a história do piloto Ray Weishaar, grande ícone e piloto da marca que aparece no Hall da Fama de Motociclistas.

Quem foi Ray Weishaar?

Nascido em Oklahoma e criado no Kansas, Lawrence Ray Weishaar não nasceu como um entusiasta das motos. Sua primeira moto comprada era utilizada para levá-lo ao trabalho.

Como as motocicletas eram um meio de transporte barato, Ray decidiu comprar uma para facilitar sua rotina. Com o tempo, ele foi se interessando cada vez mais por motocicletas e começou a pilotar por diversão.

Assim, o entusiasmo por pilotar passou de diversão para profissão, quando Ray decidiu tornar-se piloto de corridas. Entre os anos de 1908 e 1910, o piloto começou a correr nas categorias de meia milha em feiras do condado de Kansas.

Em dois anos consecutivos Weishaar venceu o Campeonato Estadual do Kansas, conquistando o apelido de “Kansas Cyclone”. Além disso, Ray ganhou seu segundo título com o guidão de sua moto quebrado, um feito histórico no campeonato.

Nos anos de 1914 e 1915, Ray passou por diversos altos e baixos em sua carreira. Em 1914, no circuito nacional da Geórgia, seu tanque começou a vazar, fazendo com que abandonasse sua primeira grande corrida.

Em 1915, Ray perdeu duas grandes corridas: a primeira no Dodge City 300 devido a uma falha na vela de ignição e a segunda no Chicago Speedway devido à alça de seu capacete ter soltado.

Esta segunda apareceu na edição de setembro de 1915 da revista The Harley-Davidson Dealer por conta da performance de Weishaar, que segurou a alça de seu capacete nos dentes durante quatro voltas e depois o jogou na pista.

O legado de Weishaar na Harley-Davidson

No ano seguinte, em 1916, Ray entrou para o time da Harley-Davidson. Neste ano ele ficou em terceiro lugar no Dodge CIty e ganhou o Campeonato FAM de 100 milhas, em Detroit.

Durante três anos, Ray ganhou uma concessionária de motos Harley-Davidson na qual foi revendedor até o ano de 1919, quando voltou para as pistas.

No ano de 1920, Ray teve sua maior vitória em Indiana, quando além de ganhar a corrida, também bateu o recorde de tempo de corrida de 18 minutos. 

O mascote da Harley

Em uma de suas corridas em Indiana, Weishaar sumiu da pista durante uma hora apenas por diversão e retornou com um leitão que veio a se tornar sua companhia em todas as corridas.

Em suas vitórias, Ray andava com seu mascote e mascote do time Johnnie, um porco, fazendo alusão às motos da marca, que eram conhecidas como “hogs”, palavra para porcos em inglês.

A nomenclatura se dá por conta do mascote da equipe, que era carregado pelas pistas, mas também é mencionada por alguns por conta do barulho das motocicletas.

O nascimento da HOG

Anos depois, a denominação HOG serviu de inspiração para a Harley Owners Group, uma comunidade criada pela Harley para entusiastas da marca. Há diversas em diversos países, incluindo no Brasil.

Estes grupos organizam eventos coletivos beneficentes, passeios e viagens durante o ano e o requisito para entrar em um destes grupos é possuir uma Harley-Davidson, além da assinatura anual para benefícios exclusivos de membros.

No Brasil, as principais divisões – conhecidas como chapters – organizam diversos eventos como bate e voltas nos estados. A HOG de Sorocaba possui também uma subdivisão especialmente para as entusiastas mulheres, a Ladies of Harley Sorocaba.

Após diversas vitórias pelo Wrecking Crew da Harley junto a seu fiel companheiro, Weishaar veio a falecer e deixar seu legado na marca muito cedo.

Com o aumento da velocidade das máquinas e a falta de segurança nas corridas, acidentes eram comuns e o piloto não escapou. Em 1924, Weishaar faleceu em uma batida na Califórnia. 

Na hora, Weishaar conseguiu sair da batida mas, devido aos diversos machucados, o piloto não conseguiu resistir e encerrou sua carreira aos 33 anos. Após o acidente, as regras de velocidade e segurança foram repensadas.

Seu legado e de seu mascote se mantêm vivos até hoje e a Harley-Davidson veste a denominação HOG em suas mangas de roupas e também nos logotipos de suas lojas. Além disso, em 1998, Ray foi incluído no Hall da Fama de Motociclistas.

Compartilhe