READING

Pelas ruas de São Paulo, as motos que ganham compe...

Pelas ruas de São Paulo, as motos que ganham competições

A KTM, desde a sua chegada no Brasil, passou por algumas turbulências. As motos de referência internacional tiveram sua imagem manchada por alguns problemas que compradores relatavam já na pós-venda, como demora para emplacamento e regularização de documento, isso ainda com o Grupo Izzo, lá atrás. A moto faz fãs por onde passa, mas ainda assim não está livre de algumas reclamações que proprietários pontuam e mecânicos explicam. Nessa entrevista conversamos com duas pessoas: Fábio Campos, 32, ex-proprietário de uma KTM Duke 390 e Maurício Venhoven, 35, conhecido como Sagui, mecânico na MR Motobox, que atende o pessoal da Duke Riders.

Moto Mundo S/A: Me fale algo que te marcou com a KTM Duke 390 que você tinha.

Fábio Campos: Uma coisa que me marcou, me irritou muito com a KTM e que, na minha opinião é um erro de principiante, é o cobre corrente que não serve para nada. Não é o suficiente para cobrir a corrente. Teve uma vez que eu fiz uma viagem para Sorocaba com a minha esposa para uma reunião de amigos que ela foi de calça branca e quando chegamos lá a calça dela estava lavada de graxa e de óleo de corrente. Para que fazer um cobre corrente que não serve para nada?

Moto Mundo S/A: O que mais te incomodou na Duke da KTM?

Fábio Campos: Eu estou falando da Duke antiga, a nova eu não sei como está, mas pelo que eu vi o cobre corrente da nova está a mesma coisa. Ou você passa pouco óleo para não ter problemas ou o cobre corrente não faz o trabalho, ele joga graxa na garupa e joga graxa na rabeta. Outra coisa que me incomodou na Duke foi o paralama, que para mim é outro erro primário. O paralama dela é imenso, muita gente não gostava por causa disso, mas eu curtia porque parecia uma moto de rally. Mas o paralama só serve para proteger de sujeira quando ela está em trajetória reta se você estiver fazendo curva ela desvia a trajetória e espirra tudo nas suas costas. É uma moto suja. Apesar de grande, o paralama é fino, então ela pode sujar o garupa, suas costas, sua coxa e por aí vai.

Moto Mundo S/A: Você teve o famoso problema do painel?

Fábio Campos: Eu tive esse problema duas vezes. Eu não sei o que acontecia, o painel parecia não ser totalmente lacrado. Uns falavam que esse problema acontecia por muita chuva, mas eu discordo. Eu acho que deva ser condensação. Porque começava a suar e criar gotas de água por dentro do vidro do painel. Dependendo do quanto era até sumia sem fazer nada, mas comigo chegou em um ponto em que eu tive que trocar o painel de tanta água e mancha que tinha dentro. E era muita gente que tinha esse problema, o pior é que você trocava por um painel zerado e andava uns 5 ou 6 meses com a moto para ter o mesmo problema.

Moto Mundo S/A: O que te fez querer vender a sua KTM?

Fábio Campos: Bom, eu estou falando primeiro sobre as coisas ruins da moto que foram as questões que me fizeram vendê-la, mas eu teria ficado com ela, facilmente. É uma moto muito boa. Mas enfim, continuando nos perrengues que eu tive com ela… Outra coisa que me incomodou, me assustou um pouco e que eu não concordava era o valor das coisas. Eu vendi a minha com 14 mil Km, justamente porque estava chegando no momento crítico que é entre os 15 e 20 mil Km. Chegou em um ponto que eu tinha que fazer um monte de coisa, aí eu parei e pensei. Com aquele valor que ia gastar numa 300,  eu comprava outra, e foi o que eu fiz. Hoje eu estou andando com uma 900 gastando a mesma coisa. É muito caro ter uma Duke e você não paga pela cilindrada. Por exemplo, meu pneu na época estava com menos de meia vida, então eu ia precisar trocar. O par de pneu original custa por volta de 1200 reais, ia precisar fazer a revisão de 15 mil km que ia custar por volta de 800 reais, e minha relação tinha ovalado, toda semana eu precisava ficar apertando a corrente então ia precisar arrumar, o que ficaria mais 750 reais. De um dia para o outro eu ia gastar por volta de 3 mil reais. Então eu dei a moto, paguei 3 mil e dei entrada em outra. E isso afeta muito todo comprador da Duke 200, porque a 200 tem as mesmas peças e os mesmos valores da 390. E você ter que pagar 1200 reais no pneu de uma 200cc é pesado.

Moto Mundo S/A: Há muitas reclamações em relação à manutenção e às peças e a dificuldade de conseguí-las. Como foi para você?

Fábio campos: Não sei se posso relatar como um problema porque todas as concessionárias não estão nem aí. Mas é complicado realmente a questão dos componentes e manutenção. É tudo muito caro. A troca de óleo é muito cara para uma moto do tamanho dela, as peças são muito caras, as revisões são caras. Eu estou com uma Triumph t100 agora, a revisão dela custa 800 reais também, mas a revisão dela é de 16 em 16 mil km ou um em um ano. A revisão da KTM era de 7.500 em 7.500 e na mesma faixa de preço de 800 reais. Pela cilindrada é muito caro. Se fosse um valor menor, eu ainda estaria de Duke.

Moto Mundo S/A: Quais são os pontos positivos que você vê na moto?

Fábio Campos: Agora o bom, né? Cara, para mim um ponto forte dessa moto é o torque. Eu acompanhava Hornet até os 80 ou 100 km/h na arrancada no semáforo facilmente. Conforto não tinha tanto não, mas a ciclística dessa moto não tem igual. Já andei de Apache 150, Ninja 300, KTM, Vulcan, Nmax e a Bonneville. Entre essas nenhuma se compara à KTM, não tive melhor. A velocidade final dela está boa, não tem necessidade de ultrapassar o máximo dela que é 170 ou 175 Km/h. Uma coisa ruim na Duke é a quantidade de litros no tanque, a Nmax que eu tinha que era uma moto de 150cc tinha 6 litros, a Duke 390 tinha 9 litros e meio. Mas em relação a torque e potência é a melhor, sem se esquecer do peso, é uma moto muito leve e perfeita para cidade. Andar de KTM é uma experiência incrível.

Moto Mundo S/A: Dizem que a moto responde muito bem, é verdade?

Fábio Campos: É verdade, ela responde em qualquer faixa. Inclusive o acelerador eletrônico que veio na nova foi extremamente necessário porque a antiga que eu tive era 8 ou 80, não tinha essa de andar devagar a 30 Km/h. Uma experiência péssima que eu tive com ela, por exemplo, foi quando eu estava na garupa descendo para a praia de noite, quando teve comboio, todo mundo descendo a 30 Km/h. Essa moto não anda nessa velocidade sem o acelerador eletrônico. Ela ficava pipocando, tanto em marcha alta quanto na baixa ela pedia mais, quase que pedindo para acelerar.

Moto Mundo S/A: O que você vê como ponto fraco da KTM?

Fábio Campos: O valor e o tempo é o que mata a KTM. O valor para manter e o tempo para chegar as peças. Porque a moto em si, a experiência de pilotar uma KTM é muito boa. O problema é valor e tempo, tem peça que demora 40 dias para chegar, o que acaba te impedindo de ter uma. Mas, apesar disso tudo, quando eu estava com a Nmax e saiu a Duke nova eu cogitei comprar. Acho que a paleta de cores também afasta um pouco, tem uma moto branca com laranja e outra laranja com branco, é complicado, falta uma toda branca ou toda preta. Falta uma mais neutra que contemple os “tiozões” que não se identificam com essas cores (risos). 

Mas o que complicou a KTM mesmo foi aquela história que disseram que sempre teria peças disponíveis, o que é uma mentira. Desde o começo só tinha peça de rodagem: pastilha, corrente e óleo. Hoje está a mesma coisa, uma ou outra concessionária tem algumas coisas pequenas. Lá em Santo André tinha pedalzinho de câmbio, pedaleira do piloto, pedaleira do garupa, essas coisas menores que geralmente são as que estragam quando você cai e que não ocupam estoque. Mas qualquer coisa a mais já complicava, se quebrasse o virabrequim ou o pistão, se desse problema no motor ou no câmbio já era uma dor de cabeça porque demorava muito para as peças chegarem. Com a Duke 200, a KTM podia entrar nesse nicho de uso diário, de entrega e pegar mercado da Honda, porque no fim das contas é uma moto econômica. Ela só não ganha da Honda por conta do preço da manutenção e demora para as peças chegarem.

Maurício é mecânico há 5 anos, mas mexe em suas motos desde os 18 como um hobby. Hoje ele trabalha na MR Motobox, uma oficina que atende a Duke Riders, um grupo de proprietários de KTM no estado de São Paulo.

Moto Mundo S/A: O que você vê como um problema da moto?

Maurício Venhoven: No manual de serviços e até de proprietário diz que você pode usar gasolina com no máximo 10% de álcool, e até mesmo as gasolinas boas aqui no Brasil têm 27% de álcool. Ela tem muito mais álcool do que devia ter para a Duke. E o que acontece é que a moto roda pobre. Isso acaba fazendo com que a moto perca potência e com que o motor super aqueça. Esse é um problema comum na Duke: a moto trabalha sempre com o motor muito quente e a ventoinha não da conta de esfriar. Então, quando super aquece pode acabar dando um travamento de motor porque o óleo afina demais e perde propriedade. A gente recomenda sempre que as trocas de óleo sejam feitas antes do que diz o manual. Esse super aquecimento do motor pode empenar o cabeçote, a junta do cabeçote empena e joga água pra fora, mistura água no óleo, diversos problemas. Esse super aquecimento devido a gasolina pode acarretar muitos problemas.

Moto Mundo S/A: Qual a diferença da Duke para as outras motos? É verdade que o motor da KTM trabalha no limite?

Maurício Venhoven: Ela não trabalha no limite, mas o motor dessa moto gera mais potência do que as concorrentes da mesma cilindrada. É como se fosse um motor preparado. Se você pegar uma CB 300 ou uma Fazer 250 e preparar ela você consegue chegar um pouco mais no limite. O motor da KTM é feito pra isso, mas ele acaba sendo um motor mais forte. Quando você soma isso aos problemas de combustível, o que temos são os problemas de motor que eu disse.

Moto Mundo S/A: O que da pra fazer em relação à gasolina? Tem como resolver esse problema?

Maurício Venhoven: Sim, tem como. Uma coisa que a gente faz muito aqui na oficina é corrigir esse problema de mistura de combustível usando um módulo. Como se fosse um remapeamento, a gente remapeia a injeção. Então, com esse módulo eu consigo configurar a injeção eletrônica da moto, consigo mandar mais combustível em tal faixa de giro, mais combustível com o acelerador em tantos por cento e com isso a gente consegue corrigir essa falta de combustível dela e melhora muito a moto

Moto Mundo S/A: O problema da água no painel é recorrente?

Maurício Venhoven: A Duke tem aqueles problemas crônicos de trincar a caixa de ar e da infiltração no painel, que são os mais comuns. Mas isso toda moto tem, a Yamaha Mt03, por exemplo, vem com problema crônico no rolamento, o rolamento dessa moto estoura. Toda marca tem um probleminha crônico que com o tempo eles corrigem

Moto Mundo S/A: Alguns proprietários de Duke relatam que as peças da moto demoram muito pra chegar. Você, que mexe com KTM a todo momento, já passou por isso?

Maurício Venhoven: Até o ano passado até que era tranquilo. Como todas as outras marcas, tudo vinha bonitinho, só algumas peças que não tinham muita saída nem tinham no estoque e era preciso encomendar. O prazo máximo de encomenda era de até 30 dias, que também não foge do padrão das outras marcas. Só que quando a KTM saiu da Dafra ficou um caos, não tinha previsão de nada, tudo demorava, ninguém sabia dizer como as coisas estavam andando e isso rolou no começo desse ano com previsão de normalização pra março. Só que veio a quarentena e tudo ficou ainda mais bagunçado. Mesmo com a transição, não normalizou ainda, mas isso por causa do que está acontecendo. Tem peça que a fábrica não da nem previsão pra gente e o que eu posso fazer é esperar e rezar pra chegar. Vale dizer que apesar do que eu disse isso é uma situação atípica e que está acontecendo devido a quarentena. É claro que a KTM não é que nem a Honda que você vai na padaria e acha peça, mas nunca foi muito difícil não. Algumas coisas específicas que exigiam uma encomenda e espera de 30 dias, agora a espera passa disso, estão falando de espera de até 90 dias. Eu estou esperando peça aqui desde fevereiro.

Moto Mundo S/A: É caro manter uma Duke?

Maurício Venhoven: Eu não acho caro as revisões da Duke. Se você comparar com uma R3 da Yamaha ou a Z300 da Kawasaki que estão na mesma linha você vê que a Duke não é cara, não. O pneu é o mesmo para todas elas, o preço de relação, por exemplo, é até mais barato, muita gente se baseia nos valores passados na concessionária, que giram em volta dos R$ 1200,00, mas fora da concessionária com uma marca top se gasta em torno de R$ 600,00. A manutenção básica dela, seguindo as revisões, não é mais cara que as outras. Mas tem aquela coisa, não da pra você comparar com uma CB300 ou uma Fazer 250, né? Você tem que comparar a Duke com a Z300, a MT03 ou R3, que estão na faixa dela. Os valores de peça de motor são bem baratas da Duke, inclusive.

Moto Mundo S/A: O que você vê como ponto positivo da Duke?

Maurício Venhoven: Eu vou dizer como motociclista, nem como dono de oficina. Tanto a Duke 200 quanto a 390 são muito leves, super ágeis e apesar de terem o banco duro e de reclamarem dele, elas são confortáveis. São boas pra andar na cidade porque é pequena e muito responsiva além de poder pegar uma estrada tranquilamente. Não é aquela moto que na estrada não passa de 120 Km/h. Não é uma moto que bebe muito, claro que depende como você anda, mas mesmo sendo uma moto forte e potente também é econômica. 

Moto Mundo S/A: O que você vê como ponto negativo da Duke?

Maurício Venhoven: O que eu vejo como ponto negativo da KTM é a questão dela não ter tropicalizado a moto, não ter trazido ela pra realidade do nosso país. A Duke não se dá bem com o nosso combustível e isso é uma questão que incomoda bastante porque ela é bem sensível, qualquer gasolina que você coloca que é melhor ou pior a moto fica ruim e começa a falhar do nada. A maioria das montadoras ajustam a moto pra realidade do nosso país e a KTM não fez isso, que é ruim. Fora isso, outro problema é a demora das peças nesse momento que estamos passando.


INSTAGRAM
SAIBA MAIS SOBRE